quarta-feira, 21 de abril de 2021

Cizirão-de-um-ano (Lathyrus annuus)

 



Cizirão-de-um-ano (Lathyrus annuus L.)
Erva anual, glabra, trepadora, que pode atingir até 200cm; com caules ramificados, alados, com asas com 0,5 a 2,5 mm de largura; folhas pecioladas com 1 par de folíolos, terminadas em gavinha ramificada; estípulas linear-lanceoladas, semisagitadas ou semihastadas, mais curtas que o pecíolo; flores com pétalas (estandarte, asas e quilha) de cor amarela, dispostas (1 a 3) em inflorescências pedunculadas; pedúnculo em geral mais curto que a folha axilante; fruto oblongo, reticulado, com 5 a 9 sementes esféricas.
Tipo biológico: terófito;
Família: Fabaceae (Leguminosae)
Distribuição: Sul da Europa, desde a Península Ibérica até ao Cáucaso; Centro e Sudoeste da Ásia; Norte de África e Macaronésia (Açores, Madeira e Canárias). Em Portugal além de presente nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, ocorre também, como espécie autóctone, em boa parte do território do Continente (Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral, sendo duvidoso o seu aparecimento no Douro Litoral e Minho).
Ecologia/habitat: terrenos relvados na orla de terrenos cultivados, caminhos e taludes, em locais húmidos e algo sombrios, com preferência por solos básicos, a altitudes desde 8 a 1200m.
Floração: de Março a Junho.
[Local e data do avistamento: serra de S. Luís (Arrábida); 28 - Abril - 2019]

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Trigo-de-perdiz (Aegilops geniculata)

 
Trigo-de-perdiz (Aegilops geniculata Roth)
Erva anual, cespitosa, com 30 a 40 cm de altura.
Tipo biológico: terófito;
Família: Poaceae (Gramíneas);
Distribuição: Região Mediterrânica; Oeste da Ásia e Norte de África. Introduzida no Norte da Europa, Canárias e América do Norte.
Em Portugal distribui-se por quase todo o território do Continente, estando, porém, ausente dos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem, incultos, em locais secos e bem ensolarados.
Floração: de Abril a Julho.
(Local e data do avistamento: PNArrábida; 10 - Maio 2014)
(Clicando na imagem, amplia)

terça-feira, 23 de março de 2021

Neotinea maculata


Neotinea maculata (Desf.) Stearn
Erva vivaz, tuberosa (dois tubérculos) com caule esverdeado (8 a 25 cm) frequentemente com manchas; folhas basais dispostas em roseta, compridas, lanceoladas; as superiores mais curtas, invaginantes, umas e outras geralmente também com manchas; inflorescência, mais ou menos curta (2 a 6 cm) com flores pequenas, densamente agrupadas, com a maioria voltada para o mesmo lado.
Tipo biológico: geófito;
Família: Orchidaceae;
Distribuição: grande parte da Região Mediterrânica; Irlanda e Macaronésia (Madeira e Canárias). 
Em Portugal Continental é dada como ocorrendo, embora de forma dispersa e descontínua, em todas as regiões.
Habitat: Pastos, dunas consolidadas, e clareiras de vários tipos de bosques e de matagais. Indiferente ao substrato.
Floração: de Março a Maio.
(Local e data: Serra da Arrábida; 22 - Março - 2021)

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Anúncios de Primavera na Arrábida

Erva-vespa (Ophrys lutea)

Margarida-do-monte (Bellis sylvestris)

Cardinho-das-almorreimas (Centaurea pullata)

Campainhas-amarelasCucos, Campainha-dos-montes (Narcissus bulbocodium subsp. obesus)
Arrábida, 24 - Fevereiro - 2021
(clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Silene gracilis





Silene gracilis DC.
Erva anual, com 10 a 80 cm; caules geralmente ascendentes, simples ou ramificados a partir da base, vilosos na parte inferior, glabros na parte média e com indumento retrorso-pubérulo na parte superior; folhas pubescentes, as basais subespatuladas ou oblanceoladas, geralmente dispostas em roseta; as caulinares, de ovais a lanceoladas; inflorescências em cimeiras com 1 a 10 flores frequentemente cleistogâmicas; brácteas mais curtas que os pedicelos, de ovadas a ovado-lanceoladas, ciliadas, pelo menos, na base; cálice campanulado na frutificação, totalmente glabro ou ligeiramente escábrido nos nervos, com dentes triangulares, ciliados; pétalas profundamente bífidas, de cor branca ou rosa-pálido; cápsula (fruto) subcilíndrica com 6 a 11 mm.
Tipo biológico: terófito;
Família: Caryophyllaceae;
Distribuição: Sudoeste da Península Ibérica e Noroeste de Marrocos.
Em Portugal ocorre como espécie autóctone, apenas em parte do território do Continente (Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura e Ribatejo.
Ecologia/habitat: terrenos relvados em solos arenosos, geralmente próximos do litoral.
Floração: de Janeiro a Junho.
[Local e data do avistamento: Serra do Risco (Arrábida); 9 - Março - 2020]
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 12 de dezembro de 2020

Malva (Malva sylvestris)


 


Malva * (Malva sylvestris L.)
Erva bienal ou perene, com caules erectos ou ascendentes que podem atingir até 150 cm; folhas mais ou menos longamente pecioladas, com limbo aproximadamente cordiforme com 3 a 7 lóbulos crenados ou serrados; flores com 2 a 6 cm de diâmetro, dispostas em fascículos axilares ou agrupadas no extremo dos ramos, raramente solitárias; epicálice composto por 3 peças elípticas ou oblongo-ovadas, completamente livres entre si; cálice formado por sépalas triangulares ou triangular-ovadas, não acrescentes na frutificação; pétalas profundamente emarginadas, de cor púrpura ou azulada, cores claramente acentuadas nas nervuras, em ambos os casos.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Malvaceae;
Distribuição: Europa, Norte de África, Sudoeste da Ásia e Macaronésia (Madeira). Introduzida e naturalizada na América Central e do Norte.
Em Portugal ocorre, como espécie autóctone, não apenas, como referido, no arquipélago da Madeira, mas também em quase todo o território do Continente. Enquanto espécie introduzida encontra-se também presente no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: relvados nitrificados, campos agrícolas, cultivados e incultos, baldios, bermas de estradas e caminhos, a altitudes até 1500 m. Planta ruderal, arvense e viária.
Floração: de Abril a Setembro.
Observação: planta usada em fitoterapia, sendo-lhe atribuídas propriedades anti-inflamatórias, emolientes e laxantes.
* Outros nomes comuns: Malva-das-boticas; Malva-comum; Malva-maior;Malva-mourisca; Malva-selvagem; Malva-silvestre.
[Local e datas: Serra do Louro (Arrábida); 7 - Maio - 2017 (fotos 1, 3 e 5); 4 - Março - 2020 (fotos 2 e 4)]
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Vicia parviflora



Vicia parviflora Cav.
Erva anual, trepadora, com caules erectos ou procumbentes que podem atingir até 50cm; folhas curtamente pecioladas, com 2 a 4 pares de folíolos, terminando em gavinha não ramificada; flores com pétalas de cor lilás, rosa, azul; amarelada ou esbranquiçada.
Características que convém confirmar:
"-Fruto estipitado (com um pedúnculo dentro do cálice) e glabro. -Inflorescências com o pedúnculo claramente mais comprido que a respectiva folha.(...)" (fonte)
Tipo biológico: terófito; escandente;
Família: Fabaceae (Leguminosae)
Distribuição: Sul e Oeste da Europa; Ásia Menor; Noroeste de África e Macaronésia (arquipélagos dos Açores; Madeira e Canárias).
Em território português, ocorre não apenas nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, mas também em todas as regiões do Continente. 
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem secos; orlas e clareiras de bosques e matagais, a altitudes até 1600m. 
Floração: de Fevereiro a Julho.
(Local e data do avistamento: Arrábida; 19  - Abril - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 10 de novembro de 2020

Lírio-dos-tintureiros (Reseda luteola)





Lírio-dos-tintureiros * (Reseda luteola L.)
Planta anual ou bienal, com caules erectos, glabros, simples ou ramificados que podem atingir até cerca 100cm de altura; folhas inteiras, com margem geralmente ondulada; inflorescência em cacho especiforme, densa; flores hermafroditas, tetrâmeras, com 4 sépalas persistentes e 4 pétalas amarelas ou branco-amareladas; fruto (cápsula) subgloboso, glabro ou papiloso, com sulcos profundos; sementes ovóides, lisas, escuras, brilhantes.
Tipo biológico: terófito ou hemicriptófito;
Família: Resedaceae;
Distribuição: Europa, Norte de África, Oeste da Ásia e Macaronésia. Introduzida e naturalizada na América.
Em Portugal, ocorre como espécie autóctone em todo o território do Continente e no arquipélago da Madeira e como planta introduzida no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: planta arvense e ruderal, presente em campos cultivados e incultos, baldios, bermas de estradas e caminhos, entulheiras, preferentemente em solos arenosos, a altitudes até 1700m.
Floração: ao longo de boa parte do ano, com maior intensidade de Fevereiro a Setembro.
Observação: planta outrora cultivada para obtenção de um corante amarelo usado em tinturaria.
* Outros nomes comuns: Erva-dos-ensalmos; Gauda.
[Local e datas: Serra de S. Luís (Arrábida): Março/Abril 2012)]

domingo, 4 de outubro de 2020

Spiranthes spiralis





Spiranthes spiralis (L.) Chevall.
Erva perene (tipo biológico: geófito) com 2 a 4 tubérculos e haste floral de pequeno porte (6 a 27 cm) aproveita para florir numa época em que as ervas circundantes ainda se encontram no início do seu desenvolvimento e em que, por isso, tem melhores condições para beneficiar da luz solar e para se fazer notar. E mesmo assim pode facilmente passar despercebida, porque também as flores, dispostas em espiral, embora gráceis, apresentam uma cor discreta e são de pequenas dimensões.
Família: Orchidaceae;
Distribuição:  Centro e Sul da Europa e por toda a região costeira do Mediterrâneo. Em Portugal, a Flora Ibérica dá-a como presente, com certeza, na Estremadura e na Beira Litoral, admitindo como provável a sua ocorrência no Algarve, Alto Alentejo, Ribatejo, Douro Litoral e Trás-os-Montes. Tendo, no entanto, em conta os registos já existentes no Portal Flora.On, podemos considerar que, pelo menos, no Algarve, Ribatejo e Douro Litoral, a sua presença é uma certeza e não mera probabilidade.
Ecologia/habitat: prados, clareiras de matos, espaços entre rochas, bermas de caminhos e dunas, a altitudes que vão desde o nível do mar até aos 1500 m.
(Local e data: Arrábida; 4 - Outubro - 2020)

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Açafrão-bastardo (Colchicum lusitanum)

 


Açafrão-bastardo *(Colchicum lusitanum Brot.)
Erva vivaz, tubero-bulbosa (tipo biológico: geófito) da família Colchicaceae, cuja parte aérea pode atingir até 10 cm. 
Tem duas características interessantes: floresce de Setembro a Novembro, mas as folhas só despontam na Primavera; as tépalas apresentam um padrão axadrezado, característica que a distingue de outras plantas do mesmo género e da mesma família.
Distribuição: Itália, Península Ibérica e Norte de África.
Ecologia/habitat: orla e clareiras de bosques e matagais, em terrenos pedregosos de origem calcária.
* Outros nomes comuns: Cebola-venenosa; Cólchico; Cólquico; Dama-nua; Dedo-de-Mercúrio; Lírio-verde; Mata-cão; Morte-de-cães; Narciso-do-outono (fonte)
(Local e data: Arrábida; 28 - Setembro - 2020)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 13 de maio de 2020

Hyoseris scabra





Hyoseris scabra L.
Erva anual de reduzidas dimensões (5 a 10cm); folhas com lóbulos dentados e apiculados, todas dispostas em roseta basal; flores com lígulas amarelas agrupadas em pequeno número (5 a 12) em capítulos estreitos.
Tipo biológico: terófito;
Família: Asteraceae;
Distribuição: Região Mediterrânica;
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, circunscrita à Estremadura e Algarve.
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem secos, em solos calcários.
Floração: de Fevereiro a Maio.
[Local e data da observação: Serra do Risco (Arrábida); 6 - Fevereiro - 2019]
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Erva-de-São-Roberto (Geranium purpureum)




Erva-de-São-Roberto * (Geranium purpureum Vill.)
Erva anual, com caule com 5 a 40 cm revestido com pêlos patentes geralmente glandulíferos; folhas palmatissectas, com contorno poligonal, pilosas em ambas as páginas; flores (agrupadas em cimeiras bifloras), com corola purpúrea, com 10 estames com anteras de cor amarela.
É uma planta com "hábito" tão semelhante ao da sua congénere Geranium robertianum, que ambas são conhecidas pelos mesmos nomes vernaculares e, designadamente, pelo mais comum de Erva-de-São-Roberto. 
As caraterísticas que mais facilmente permitem a um observador comum distinguir as 2 espécies são: i) a cor das anteras (purpúreas no G. robertianum e amarelas no G. purpureum); ii) o tamanho das pétalas (maiores no G. robertianum do que no G. purpureum, característica esta que, todavia, não se revela de grande utilidade a menos que estejam disponíveis, simultaneamente, exemplares das duas espécies, pois doutra forma será impossível a comparação. 
Tipo biológico: terófito;
Família: Geraniaceae;
Distribuição: planta com larga distribuição mundial, quer como planta autóctone (quase em toda a Europa, Oeste da Ásia, Leste tropical e Noroeste de África e Macaronésia), quer como espécie introduzida (Califórnia, na América do Norte, Sul de África, América do Sul e Nova Zelândia)
Em Portugal ocorre como espécie autóctone, quer em todo o território do Continente, quer no arquipélago da Madeira e como espécie introduzida no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: pastagens anuais; taludes; bermas de estradas e caminhos; orlas e clareiras de bosques e matagais, com frequência em locais algo sombrios, a altitudes até 2000m.
Floração: de Fevereiro a Julho.
* Outros nomes comuns: Erva-roberta; Bico-de-grou.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Ranunculus ollissiponensis subsp. ollissiponensis




Ranunculus ollissiponensis subsp. ollissiponensis
Erva vivaz, com 4 a 40cm, com raízes tuberosas napiformes; haste floral simples ou ramificada, em geral, densamente pilosa; folhas dispostas em roseta basal longamente pecioladas (com pecíolo que pode atingir até 11cm); flores com cerca 3 cm de diâmetro; frutos cilíndricos, estreitos, alongados até 2 cm; aquénios comprimidos, planos, com pico recurvado em forma de gancho. 
Tipo biológico: geófito;
Família: Ranunculaceae;
Distribuição: planta endémica da Península Ibérica.
Em Portugal ocorre em quase todo o território do Continente. O Algarve surge como a única (e provável) excepção.
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem; orlas e clareiras de bosques e matagais, frequentemente em solos pedregosos, a altitudes desde 200 a 1800m. 
Floração: de Fevereiro a Junho.
(Local e data do avistamento: Serra da Arrábida; 9 - Março - 2020)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 10 de março de 2020

Arruda-dos-muros (Asplenium ruta-muraria subsp. ruta-muraria)



Arruda-dos-muros (Asplenium ruta-muraria subsp. ruta-muraria)
Feto provido de rizoma muito ramificado (tipo biológico: geófito) da família Aspleniaceae.
Distribuição: Regiões temperadas do Hemisfério Norte. Presente também no território de Portugal Continental, designadamente, na Estremadura, Ribatejo, Beira Litoral e Douro Litoral.
Ecologia/habitat: fendas de rochas e muros de pedra, em geral, de origem calcária, a altitudes até 2600m . 
(Local e data do avistamento: Serra da Arrábida, 9 - Março - 2020)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 29 de fevereiro de 2020

Quaresmas (Saxifraga granulata)







Quaresmas, ou Sanícula-dos-montes (Saxifraga granulata L.)
Erva vivaz, provida de abundantes pêlos compridos, flexíveis, glandulosos, com haste floral escassamente ramificada que pode elevar-se até 60 cm de altura; folhas basais, claramente pecioladas, com limbo reniforme e margens crenadas ou ligeiramente lobadas; flores com pétalas (em geral, 5) de cor branca com nervos escuros, glabras, espatuladas, ou obovadas, dispostas em panículas pouco densas.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Saxifragaceae
Distribuição: Europa e Ásia. Em Portugal distribui-se por todo o território do Continente.
Ecologia/habitat: espécie rupícola, surge, principalmente em taludes e plataformas rochosas, fendas de rochas ou de paredes de pedra solta para suporte de terras, em locais húmidos, sobre solos ácidos ou básicos.
Floração: de Fevereiro a Junho
(Local e data: Serra da Arrábida; 28 - Fevereiro - 2020)
(Clicando nas imagens, amplia)